Capa post nova paleta de cores
Tempo de Leitura: 6 minutos

Como desenvolvemos a nova paleta de cores do Bridge?

Entenda os principais conceitos que nos levaram à decisão das novas cores

Conteúdo produzido por Isabela Mosquini e Marina Soares.

Desde que o Bridge é Bridge, o azul nos representa! 💙 Mas você já reparou que temos cores complementares que ajudam a construir nossas postagens, peças gráficas e materiais? 🤔

Além da paleta primária composta pelo azul, preto e branco, temos a nossa paleta secundária. Porém, a que era utilizada já não representava mais os nossos valores. Por isso, decidimos passar por um processo de transformação na nossa identidade visual. 🎉

No case de hoje, conheça a nossa nova paleta de cores e entenda como foi desenvolvida. A Isabela Mosquini ajuda a explicar tim-tim por tim-tim sobre cada estudo e método utilizado para a tomada de decisão. Dá uma olhada no que você confere no artigo de hoje:

  • A paleta de cores principal – e quais os significados por trás dela
  • Por que decidimos mudar a paleta de cores secundária?
  • Quais estudos e referências usamos nessa construção
  • Quais emoções as cores transmitem e como relacionar aos valores da organização?
  • Como consideramos a acessibilidade das cores
  • A nova paleta de cores do Bridge!

A paleta de cores principal – e quais os significados por trás dela

Todas as cores possuem o poder de transmitir valores e causar sensações e sentimentos nas pessoas que as observam. Como dissemos no nosso artigo sobre 3 passos para sua marca ter uma identidade visual forte, as cores auxiliam na identificação e reconhecimento das marcas, pois geram uma memória visual no público.

Ou seja, quando você vê a combinação do vermelho e do amarelo, provavelmente pensará em cadeias de fast-food: McDonald’s e Burger King são exemplos.

Mas, além da parte prática, as cores também se comunicam diretamente com o psicológico das pessoas. Por isso é tão importante dar atenção à decisão delas.

Aqui no Bridge, a nossa paleta de cores principais nos ajuda a construir peças de design de forma simplificada. O azul, nossa cor mais predominante, foi escolhido por representar a educação, jovialidade, confiança e criatividade. Por sermos um Laboratório da Universidade Federal de Santa Catarina, esses valores são essenciais para representar a nossa cultura!

Dá uma olhada na antiga paleta:

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Ilustração: Isabela Mosquini

Embora nossa paleta principal continuasse transmitindo os valores que nos guiam, as cores de apoio já não faziam mais sentido – tanto para a construção visual quanto para o significado que transmitiam. No dia a dia, notamos que o amarelo já não nos representava como organização, além da dificuldade em construir peças harmônicas. Essa foi a principal motivação para a mudança!

Por isso, decidimos mudar somente as cores de apoio! Nossa paleta principal continuará a mesma. 😊

Mas, peraí! Por que o amarelo não nos representa? 🤔

O amarelo é uma cor de grande destaque e, juntamente ao nosso azul bridger, pode causar um desconforto aos olhos por ser uma combinação muito vibrante. Outro ponto é que o amarelo não costuma ser associado a nenhum dos pilares do Bridge, possuindo maior relação com áreas da alimentação. E, por fim, apesar do amarelo poder representar luz e otimismo, ele também pode passar uma sensação contraditória, de atenção, perigo e até mesmo instabilidade.

Por que decidimos mudar a paleta de cores secundária?

Na prática, acabamos usando somente as seguintes quatro cores nos nossos designs, o que limita nossas possibilidades de criação. Apesar de funcionarem bem juntas, podem tornar as peças maçantes.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Ilustração: Isabela Mosquini

Então a decisão não foi somente por conta do amarelo, mas sim da falta de outras alternativas que fizessem maior sentido! 

Com o tempo, notamos que ainda faltavam algumas áreas a serem representadas na nossa paleta além da educação. A designer Isabela pensou sobre os principais pilares do Bridge, que são educação, tecnologia e saúde, e chegou a conclusão de que precisávamos agregar todos na paleta.

Quais estudos e referências usamos nessa construção

Para desenvolver a paleta, pensamos nos estudos sobre o significado das cores, principalmente no livro “A Psicologia das Cores”, da autora Eva Heller. Esse é um livro famoso entre os designers e que trata individualmente sobre cada cor, buscando entender o que cada uma delas significa para diversas culturas, o que desperta no nosso organismo, nossas tomadas de decisão, sentimentos e muito mais. No livro, a autora se baseia em diversas áreas do conhecimento para gerar um conteúdo aprofundado.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Fonte: Cutedrop

Outros livros serviram de base para o estudo, como “Psicodinâmica das Cores em Comunicação”, do Modesto Farina, e “A Interação da Cor”, de Josef Albert. Também foram utilizados como referência alguns sites como o CoolorsAdobe Color e até mesmo páginas do Instagram como a @awsmcolors, que comentamos no artigo sobre identidade visual.

E, por uma perspectiva do Marketing, em que as cores são analisadas com base em dados, margens de venda, pesquisa de opinião e outras métricas menos subjetivas, também estudamos alguns guias! No geral, pelo marketing nenhuma cor remete a algo negativo, mas possuem diferentes impactos.

No Color Emotion Guide, um guia que analisa as cores utilizadas nas grandes corporações, podemos observar que cada cor representa uma emoção positiva e, seja em produtos ou propagandas, grandes marcas as utilizam com finalidades diferentes.

Quais emoções queremos transmitir e quais cores ajudam nessa missão?

Antes da decisão da paleta de cores, é super importante entender quais valores desejamos passar com ela. Nós já sabíamos dos nossos valores pelas nossas frases culturais. No processo de entendimento dos nossos valores, a Isabela fez uma relação de cada frase com uma cor, ou seja, quais cores poderiam entrar na paleta. Olha só!

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Ilustração: Isabela Mosquini

O roxo foi escolhido pois representa a união dos opostos, a cor dos originais e inconformistas! Na Antiguidade, era a cor dos que governavam, a cor do poder. O roxo é a mais singular das cores, está relacionada à vaidade, sensualidade e espiritualidade, a cor de tornar possível o impossível. 

Já o amarelo é a cor do otimismo. Ele é a cor da iluminação, do entendimento.

azul, nosso queridinho, é a cor que foi mais vezes citada como a cor da simpatia, da harmonia, da amizade e da confiança. Mas também representa a inteligência, a ciência e a concentração.

Por outro lado, o laranja é a cor da versatilidade. Cor da diversão, da sociabilidade e do lúdico. O laranja possui um significado único que outras cores não conseguem igualar: a transformação.

E, por último, o verde é a cor da natureza, que mais tem variações e cada uma delas pode ter significados diferentes. No geral, o verde representa a saúde, o crescimento, o frescor, a renovação. 

Veja como algumas empresas utilizam as cores para representar seus maiores nichos:

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Ilustração: Isabela Mosquini

Como consideramos a acessibilidade das cores 

Para pensar na nova paleta, também consideramos a acessibilidade. Para isso, o Bold, nosso Design System, foi um ótimo guia para ajudar nas tomadas de decisões. Com ele como uma base, tivemos o cuidado na escolha de cores que geram contrastes que permitem uma boa legibilidade e leiturabilidade, e que podem ser variadas caso essa leitura seja comprometida em alguma aplicação. 

A nova paleta de cores do Bridge!

Por fim, a Isabela Mosquini contou com a ajuda do time de designers do Laboratório Bridge para decidir quais cores seriam escolhidas para a nossa nova paleta de cores secundárias!

Com algumas alternativas feitas, discussões e testes, chegamos à nossa mais nova paleta, que representa nossos valores educacionais, tecnológicos e do nosso maior foco: melhorar a gestão da saúde pública brasileira! 

Apresentamos a nova paleta de cores do Bridge! 🥳

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Ilustração: Isabela Mosquini

  • O azul é nosso queridinho, faz parte da paleta de cores principal
  • O roxo está em tendência, principalmente na área de tecnologia, além de se relacionar com os conceitos do Bridge
  • O verde, além da associação muito próxima com a saúde, é uma cor que costuma agradar a ampla maioria das pessoas

E aí, curtiu nossas escolhas? 😍

Aproveitamos para agradecer a bridger Isabela Mosquini por toda a dedicação no desenvolvimento da paleta de cores, além da ajuda de todos os designers que ajudaram na decisão. É a nova carinha do Bridge dando as caras. 💙

E, se você curtiu esse artigo, confira nossas outras produções:


O Laboratório Bridge atua no Centro Tecnológico da Universidade Federal de Santa Catarina (CTC/UFSC), com equipes formadas por bolsistas graduandos, pós-graduandos e profissionais contratados. É orientado por professores do CTC e do Centro de Ciências da Saúde (CCS/UFSC).

Desde 2013, desenvolvemos sistemas e aplicativos para gerenciamento da saúde pública em parceria com o Ministério da Saúde e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).

Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter

Posts Relacionados

Shopping Basket