Tempo de Leitura: 5 minutos

Conheça como o e-SUS APS 4.0 foi criado

No Laboratório Bridge, o projeto envolveu mais de 70 Bridgers, amadurecimento do processo de discovery e uso de tecnologia de ponta 

Lançamos a versão 4.0 do Prontuário Eletrônico do Cidadão do e-SUS APS em setembro. Passamos por um redesign profundo, com mais de 20 módulos totalmente reformulados e o uso extensivo de tecnologias novas (e inovadoras) no desenvolvimento. 

Tudo isso mantendo o sistema antigo rodando nas quase 13 mil Unidades Básicas de Saúde que usam, diariamente, o PEC do e-SUS APS. 🤩

“Foi um grande desafio para o Laboratório Bridge desenvolver uma versão totalmente nova, com uma grande revisão das funcionalidades e ao mesmo tempo incorporar novas tecnologia, o que envolveu muita pesquisa e inovação. O sucesso foi garantido pelo envolvimento dos bridgers que sabem ser #SerADiferença e que tem por objetivo mudar o Brasil com tecnologia e inovação”

Jades Fernando Hammes, CEO, do Laboratório Bridge.

Bora conferir nossa história?

A semente da 4.0

A construção do e-SUS APS (na época, chamado de e-SUS AB) começou lá em 2013. Era um projeto de dimensões que nunca antes o Ministério da Saúde havia enfrentado, e o Laboratório Bridge foi escolhido para concretizar a informatização completa da Atenção Primária de Saúde do SUS. 😍

Existiram muitos requisitos e exigências que o e-SUS APS deveria atender. Tinha de ser um sistema robusto, capaz de trabalhar com um grande volume de dados e cenários; inovador, como um produto inédito no Ministério; eficiente, porque tinha de atender as expectativas para a Atenção Básica; dinâmico, que pudesse ser evoluído rapidamente; moderno, não para o presente, mas pensando no futuro; sustentável, que garantisse aos usuários uma adaptação sólida; e prático, que os profissionais conseguissem usar com facilidade. 

“O pedido era fazer do e-SUS um sistema que durasse 20, 30 anos. Isso é impossível sem inovação tecnológica, e a expectativa então era de grandes atualizações, no mínimo, a cada cinco anos” 

Célio Cunha, CXO do Laboratório Bridge 

Se você caiu de paraquedas e não sabe muito bem sobre o que estamos falando, aqui vai um pequeno contexto:

O e-SUS APS é um sistema de informatização gratuito, disponibilizado pelo Ministério da Saúde e desenvolvido aqui no Laboratório Bridge. Está disponível para todas as Unidades Básicas de Saúde (as UBS) espalhadas pelo Brasil. Ao todo, 99% dos municípios já usam, usaram ou acessaram o e-SUS APS.

O e-SUS APS com Prontuário Eletrônico do Cidadão, nosso PEC, é o sistema de prontuário no qual são registrados os cadastros e informações de saúde dos cidadãos que são atendidos na Atenção Primária do SUS. Tudo se conecta no SISAB, onde gestores nacionais, estaduais e municipais têm acesso às informações de saúde da Atenção Primária. O PEC é um dos softwares do e-SUS APS – desenvolvemos outros, como o CDS, nossos apps… Conseguiu pegar a dimensão? 

Por isso, em 2016, já sabíamos como era importante pensar em atualizações radicais. Um sistema da magnitude do e-SUS APS precisa sempre buscar oferecer um serviço melhor, mais rápido e acessível. Começamos então a pensar uma nova versão do sistema, que na época estava rodando há três anos. 

Para garantir que o e-SUS APS fosse um sistema realmente de longo prazo, não desistimos da nossa ideia. E assim, no final de 2017, conseguimos instituir como uma meta para o Laboratório a atualização e reestruturação do sistema!  

Que comecem os trabalhos! 

A oportunidade nas nossas mãos era única. O solicitado, em contrato, era “só” uma atualização tecnológica completa, para que o sistema rodasse com tecnologias mais novas.

Mas somos bridgers! Estamos sempre em busca de fazer o melhor e aproveitar cada oportunidade para desenvolver coisas incríveis, inesperadas e que excedam as expectativas. #FazerBemFeitoInclusiveOCafé não é um dos nossos valores a toa! 😉

“Era uma oportunidade de reestruturar completamente a interface do sistema, um desenvolvimento acessível desde o começo. Mais fácil de usar, ouvindo mais os profissionais. E trabalhamos com tecnologia de ponta. Tem tudo a ver a proposta de pesquisa e desenvolvimento do Laboratório”

Gabriel  Geraldeli, COO do Laboratório Bridge

Por isso, passamos a encarar a 4.0 como uma forma de: 

  • Melhorar a integração do e-SUS APS com outras ferramentas; 
  • Tornar mais eficiente o desempenho da aplicação como um todo; 
  • Criar uma interface mais fácil de usar, mais atraente e acessível.

De 2018 até hoje, foram mais de 70 pessoas trabalhando na versão 4.0, de um universo de cerca de 120 Bridgers. Foi muita gente com ideias incríveis! O espírito de exploração Bridger e a cultura de inovação do Laboratório foram determinantes em todo o processo. 

Fizemos testes em diversas tecnologias, para descobrir qual se adequava melhor a cada demanda do sistema. Além disso, modificamos e evoluímos o próprio processo de trabalho. Para a versão 4.0 do e-SUS APS, desenvolvemos um design system completo, o Bold, e criamos um processo de discovery e experiência do usuário novo, o b_thinking. 

Nem tudo foram flores, mas colhemos vários frutos

Com grandes poderes, todo mundo sabe que vêm grandes responsabilidades. E quanto estamos falando de um sistema que atende milhões de brasileiros em uma área tão importante quanto a saúde pública, imagine o tamanho delas!

Lembra daquelas 13 mil UBSs que falamos no começo? Vamos explicar.

O e-SUS APS é usado numa base mensal, quando não diária, por mais de 12800 Unidades Básicas de Saúde em todo o Brasil. Mesmo os municípios que não usam o nosso sistema de prontuário, precisam acessá-lo para colocar os dados na base nacional. 

Então, não daria para colocar uma plaquinha de “em manutenção” no e-SUS APS e fazer todo mundo esperar até concluirmos as atualizações. 

Você já sabe que tivemos de pensar no redesign do sistema, nas tecnologias que poderíamos usar para deixá-lo mais rápido e inovador, e em todos os requisitos de acessibilidade a serem cumpridos. 

Não apenas tivemos de pensar e desenvolver estas extensas modificações, mas tivemos que desenvolver também soluções para elas manterem a consistência e serem retrocompatíveis com as versões anteriores do sistema. 

Não é tão fácil de explicar, menos fácil ainda de fazer. Esse foi nosso maior desafio nessa jornada. Mas conseguimos vencê-lo!

Um e-SUS APS 4.0 saindo no capricho!

Foram quatro anos desde a sementinha do redesign do e-SUS APS até o lançamento da versão 4.0. Os mesmos quatro anos entre o plantio da semente do café até ele estar quentinho e delicioso na nossa xícara.

Não tem analogia melhor pra definir o processo de construção do e-SUS APS 4.0! Especialmente para Bridgers, loucos por café, inovação e compromisso social que somos. 

Agora é hora de relaxar um pouco e brindar com o café quentinho. Mas quem acha que a 4.0 é o fim do processo, sentimos muito, mas se enganou! Entregamos mais de 20 módulos reformulados do e-SUS APS, mas já estamos trabalhando para entregar uma versão acessível, rápida e eficiente de todos os módulos do sistema. Agendas, lista de atendimento, o próprio atendimento aos cidadãos. Tudinho reformulado, acessível, rápido e bonito. 

O e-SUS APS 4.0 é só o começo. 


O Laboratório Bridge atua no Centro Tecnológico da Universidade Federal de Santa Catarina (CTC/UFSC), com equipes formadas por bolsistas graduandos, pós-graduandos e profissionais contratados. É orientado por professores do CTC e do Centro de Ciências da Saúde (CCS/UFSC).

Desde 2013, desenvolvemos sistemas e aplicativos para gerenciamento da saúde pública em parceria com o Ministério da Saúde e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).

LinkedIn
WhatsApp
Facebook
Twitter

Posts Relacionados

Três vezes Bridge no Agile Trends Gov!

Tempo de Leitura: 5 minutos Três vezes Bridge no Agile Trends Gov! O que significa para o Laboratório a experiência no evento; nas palavras do seu CEO! Por Jades Hammes,

Shopping Basket